Alterar o tamanho do peito é cada vez mais recorrente em mulheres, mas também nos homens. No ano passado, segundo a recolha de dados da Statista, a cirurgia de aumento das mamas foi a mais escolhida do mundo. E, de facto, é uma intervenção com tendência a crescer cada vez mais. Tem a vantagem de ser “personalizada” de acordo com as características físicas e objetivos de cada paciente. Existem 3 categorias gerais de cirurgia estética realizada nas mamas, também chamada de mamoplastia. São elas a mamoplastia de aumento, a mamoplastia redutora ou a reconstrução do peito. Vamos focar-nos das duas primeiras!

 

Mamoplastia de aumento

O aumento mamário tem como objetivo aumentar o tamanho da mama através da colocação de implantes. Esta intervenção realiza-se por motivos diferentes: o desconforto em relação ao tamanho reduzido do peito ou a correção de assimetrias.

Os implantes mamários podem ser posicionados num plano pré-peitoral ou sub peitoral. Isto é, a incisão na pele pode ser feita na areola, na prega inframamária ou na axila. Os implantes mamários são feitos à base de silicone e podem ter diferentes formas – redondas ou anatómicas.
A mamoplastia requer uma anestesia local com sedação ou anestesia geral, tendo a operação uma duração aproximada de 2 horas. De um modo geral, as mamoplastias de aumento são procedimentos pouco invasivos. Para aumentos em que a incisão é feita na axila, um endoscópio (tubo fino com uma câmera pequena e luz) pode ser usado durante o procedimento.

Em consulta, é feita uma avaliação geral: historial clínico, idade, estado de saúde, qualidade de pele, volume e motivações. E só depois então é que a paciente determina o tamanho desejado e o cirurgião esclarece sobre as possibilidades e expectativas ajustando os implantes de teste ao peito. No entanto, existem casos em que a mamoplastia de aumento é contra-indicada. São eles a redução do fluxo sanguíneo mamário, problemas imunitários, na coagulação sanguínea e cicatrização, patologias cardiovasculares ou endócrinas.

 

Mamoplastia redutora

O objetivo de uma mamoplastia redutora é reduzir o tamanho das mamas excessivamente desenvolvidas e/ou descaídas. O excesso de peso na zona do peito pode causar sintomas como dores nas costas e pescoço. As incisões variam com base no tamanho das mamas antes da operação e o tamanho final obtido no pós-operatório.

A mamoplastia redutora envolve a remoção do excesso de tecido mamário, adiposo e da pele, e o reposicionamento do complexo mamilo-aréola. Além disso, é possível corrigir diferenças de volume ou reduzir o diâmetro das aréolas caso sejam excessivamente grandes. A cicatrização varia dependendo da extensão da cirurgia. Quando a redução é leve, é possível haver apenas uma cicatriz em redor da auréola. Nos casos mais destacados, a cicatriz peri-areolar é acompanhada por uma cicatriz vertical, que atinge a prega inframamária. Pode ainda haver a necessidade de uma terceira cicatriz (adicionada às 2 anteriores) e posicionada ao longo da prega inframamária. De um modo geral, a mamoplastia redutora é realizada sob anestesia geral e pode durar até 3 horas.

 

O que fazer durante a recuperação da mamoplastia?

A recuperação em cada tipo de mamoplastia é distinta. No caso da mamoplastia de aumento, pode voltar-se à vida normal 4 dias depois da intervenção. Apesar disso, deve evitar-se o contacto físico no peito e é obrigatório uso de soutien durante um mês. No caso da mamoplastia de redução, a recomendação é não fazer esforços durante duas semanas. Gradualmente poder-se-à retomar então a rotina normal, apesar da dor e inchaço nos seios que se fará sentir.

 

Quanto tempo para ver o resultado da mamoplastia?

A mamoplastia redutora tem, por norma, resultados bastante satisfatórios. Isto deve-se à diminuição dos sintomas de dor e desconforto causados pelo excesso de peso nos seios. Acrescentando à melhoria ao nível visual, há também uma maior facilidade em realizar atividades físicas daí em diante. Na mamoplastia de aumento, os resultados variam de paciente para paciente. Tudo depende do tempo de cicatrização de cada uma, que pode chegar até dois anos. No entanto, o efeito geral é o aumento do tamanho do peito bem como a melhoria na forma e aparência.

Tenha em mente que para alcançar bons resultados deve seguir as recomendações do seu médico. Qualquer pós-operatório tem os seus efeitos secundários. No caso da mamoplastia pode surgir desconforto, edema, dores no peito ou equimose. Podem acontecer oscilações na sensibilidade da mama e mamilo. Está indicada a toma de medicamentos para aliviar o desconforto e minimizar o risco de infeção. Perante sintomas como dor ou edema acentuados, sensação de ardor ou calor, perda de líquido e deformação da mama, deve contactar o médico. Para evitar o risco de complicações, deve ouvir atentamente as recomendações do especialista que irá acompanhar o seu processo.

As intervenções cirúrgicas no peito são um compromisso vitalício. É, por isso, essencial fazer escolhas acertadas e aconselhar-se com especialistas para entender todas as implicações da mamoplastia.